PGR solicita informações sobre cumprimento da pena do ex-deputado Nilton Capixaba

PGR solicita informações sobre cumprimento da pena do ex-deputado Nilton Capixaba

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, enviou ontem (18), ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pedido de informações sobre o cumprimento da pena do ex-deputado federal Nilton Balbino, conhecido como Nilton Capixaba. Ele foi condenado pela prática de 21 crimes de corrupção passiva qualificada, em continuidade delitiva, pela Segunda Turma do STF a 6 anos, 10 meses e 6 dias de reclusão, a ser cumprida em regime inicial semiaberto, e a 340 dias-multa, correspondentes a um salário mínimo vigente à época dos fatos. Atendendo a requerimento da PGR, a Turma determinou o início imediato do cumprimento das penas.

Até o fim do seu mandato parlamentar, Nilton Balbino cumpriu a pena no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal. Depois, solicitou transferência para a Penitenciária Estadual Aruanã, em Porto Velho (RO), onde vivem seus familiares. A transferência foi autorizada pelo STF e, conforme informações do juízo da Vara de Execuções Penais e Contravenções Penais da Comarca de Porto Velho (Meio Fechado e Semiaberto), o ex-parlamentar passou a cumprir pena privativa de liberdade em regime semiaberto, com monitoramento eletrônico, e a trabalhar como auxiliar administrativo. Após esse trâmite, o ministro Gilmar Mendes determinou o arquivamento dos autos, por considerar que houve o trânsito em julgado do acórdão, e que as penas estão sendo executadas em primeira instância.

No entanto, a mesma vara de execuções penais informou que o monitoramento eletrônico foi administrativamente suspenso porque Nilton Capixaba violou as normas da Portaria 2/2015, ao declarar CNPJ incompatível com a atividade da empresa por ele informada. No endereço fornecido, ao invés da Leme Empreendimentos e Participação, onde declarou trabalhar, funcionava um escritório de advocacia.

“Diante desse quadro, antes do arquivamento dos presentes autos, é necessário obter, junto ao juízo delegado, informações mais detalhadas a respeito da execução das sanções impostas a Nilton Balbino pelo Supremo Tribunal Federal, especialmente sobre a razão pela qual o monitoramento eletrônico foi concedido e sobre a falta disciplinar que teria motivado a sua suspensão e seu posterior restabelecimento”, pondera a PGR.

Raquel Dodge requer ainda ao STF que novo ofício seja enviado ao Juízo da Vara de Execuções Penais e Contravenções Penais da Comarca de Porto Velho, que terá dez dias para enviar cópias integrais digitalizadas do processo de execução penal e do procedimento administrativo disciplinar deflagrado pela direção do presídio Aruanã, além de informações atualizadas sobre o pagamento da multa. Transitado em julgado o acórdão, a PGR solicita que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) seja informado, via ofício, sobre a condenação de Nilton Capixaba, e que o nome do ex-parlamentar seja lançado no rol dos culpados.

Fonte: Secom/PGR
Publicada em 19 de junho de 2019 às 11:35

 

Leia Também

Deputado Jair Montes foi o principal mediador para a implementação da Lei Estadual que protege os consumidores

O Projeto de Lei N° 4.659, encaminhado pela Assembleia Legislativa do Estado e promulgado pelo governo de Rondônia, assegura uma série de direitos ao cidadão rondoniense em relação ao serviço de distribuição de energia elétrica.

Prefeitura de Rolim de Moura inaugura quadra poliesportiva na Escola polo José Veríssimo

De acordo com o prefeito Luizão do Trento a Secretaria de Educação busca ao longo de sua história promover uma educação de qualidade, sempre preocupada em manter-se alinhada aos parâmetros educacionais brasileiros

Prefeito Hildon Chaves anuncia recapeamento de 64 quilômetros de ruas

Ele também anunciou asfaltamento de um trecho da Estrada de Santo Antônio, o reveillon 2019 e recebeu um caminhão bitrem

Câmara Municipal aprova a reestruturação do Conselho de Promoção da Igualdade Racial de Porto Velho (COMPIR)

O projeto retorna ao prefeito Hildon Chaves, para sancioná-lo e com este ato o COMPIR terá a missão de promover e fomentar políticas de igualdade racial no município de Porto Velho.

Envie seu Comentário