Inconformado com o resultado, MP recorre na própria sessão de julgamento do agente penitenciário que jogou soda cáustica em médico

Inconformado com o resultado, MP recorre na própria sessão de julgamento do agente penitenciário que jogou soda cáustica em médico

O Ministério Público do Estado de Rondônia já recorreu da decisão que condenou o agente penitenciário Oziel Araújo Fernandes a pena de cinco anos de reclusão, no regime semiaberto, acusado de ter jogado soda cáustica no rosto do médico infectologista Gladson Siqueira, na manhã do dia 6 de março deste ano, no estacionamento do Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), na capital. O médico teria um caso amoroso com a esposa do agente penitenciário, uma enfermeira do SAE e HB.

O recurso foi interposto pelo Promotor de Justiça Elias Chaquian Filho, na 1ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, na mesma sessão do julgamento, logo após a leitura da sentença, ocorrida na quarta-feira (14/8), por considerar que a sentença não teve razoabilidade, ou seja, foi ínfima, considerando a gravidade do crime.

O Promotor de Justiça Elias Chaquian pediu a condenação em uma tentativa de homicídio triplamente qualificada (motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. “O julgamento foi contrário à prova dos autos porque o Conselho de Sentença ignorou que o réu tinha descoberto que vítima e o pivô do crime ainda estavam conversando via Whatsapp, e passou a premeditar o crime, não sendo impelido por violenta emoção. Além disso, os jurados decidiram contra as provas dos autos também no tocante a qualificadora de recurso que dificultou a defesa da vítima, pois ele foi aspergido com o líquido dentro do carro, sem que pudesse se esquivar, bem como a pena aplicada foi muito abaixo do justo para um delito dessa gravidade”, entende o Promotor de Justiça.

Oziel foi condenado por tentativa de homicídio privilegiado-qualificado, pois o Conselho de Sentença (formado por quatro homens e três mulheres) entendeu que o agente penitenciário agiu sob violenta emoção logo após injusta provocação da vítima, e utilizou de meio cruel, consistente em jogar a soda cáustica, substância altamente corrosiva.

O médico, que teve sua visão comprometida, está em São Paulo se recuperando de uma operação, e durante o julgamento foi ouvido por meio de videoconferência (whatsapp). Devido ao caráter passional do crime, o caso foi a julgamento em segredo de justiça.

Fonte: Assessoria de Comunicação - ASCOM
Publicada em 17 de agosto de 2019 às 11:10

 

Leia Também

JARU/RO: PRF recupera Toyota Hilux roubada na Bahia

O excessivo nervosismo dos ocupantes (casal adulto), demandou abordagem detalhada do automóvel.

Jovem que vendia droga pelo whatsapp é preso com vários tabletes de maconha em Porto Velho

Os policiais faziam patrulhamento ostensivo pela região quando receberam uma denúncia anônima dando conta que havia um elemento com uma sacola do boticário fazendo o comércio de substância entorpecente.

Força tática prende dupla armada após roubo em residência na zona Leste da Capital

Na Central de Polícia, os suspeitos foram reconhecidos e as vítimas informaram que os criminosos chegaram de posse da arma, uma faca e anunciaram o assalto.

Homem é preso com moto clonada após polícia receber denúncia

O proprietário da moto acionou a Polícia Militar informando que teria colocado sua moto para vender e o suspeito teria aparecido para comprar, mas que antes queria dar uma volta para testar e desapareceu

Envie seu Comentário