Número de suicídios na PF é 4 vezes maior que a da população em geral

Número de suicídios na PF é 4 vezes maior que a da população em geral

O tamanho do estresse enfrentado pelos policiais federais brasileiros pode ser medido em um número dramático, o de suicídios desses profissionais. Nos últimos 10 anos, 31 servidores da corporação tiraram a própria vida, revela levantamento inédito da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef).

A gravidade da situação é percebida na comparação do número com a taxa de suicídios na população em geral. No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde, o volume de suicídios a cada 100 mil habitantes em 2016 (último ano com dados consolidados) foi de 5,8 (naquele ano, 11.433 brasileiros tiraram a própria vida). Caso se faça essa projeção proporcional para os casos de suicídio entre policiais federais (que são 13.400 na ativa, segundo o Ministério do Planejamento), a taxa seria de 23,13 mortes a cada 100 mil pessoas: quatro vezes mais do que na população em geral.

Ainda que se compare apenas com a taxa de suicídios entre os homens, que é bem maior do que o número geral (9,2 casos a cada 100 mil homens em 2016), a porcentagem entre policiais federais ainda é mais do que o dobro da dos brasileiros.

“A categoria trabalha sob um nível de pressão enorme. Há pesquisas internas mostrando que metade dos agentes tem ou teve sintomas de depressão”, conta o presidente da Fenapef, Luís Antônio Boudens. “A luta vem de muitos anos e demanda da direção que se crie mecanismos para identificar o perigo e tratar, evitar essas mortes, mas é muito difícil.”

Apesar dos números expressivos, o assunto é tabu na corporação, de acordo com Boudens. “Em vez de ajuda, o que existe é estigma para quem tira uma licença para cuidar da saúde mental. Ganha apelido de doido, o chefe tenta transferir a pessoa. Não há mecanismos de prevenção e tratamento”, reclama, citando a existência de uma regra que não é cumprida: a Portaria Interministerial SEDH/MJ nº 2, de dezembro de 2010. O texto estabelece que se ofereça aos profissionais de segurança “atendimento independente e especializado em saúde mental” e a criação de “programas de prevenção ao suicídio, disponibilizando atendimento psiquiátrico, núcleos terapêuticos de apoio e informações sobre o assunto”.

Segundo o presidente da Fenapef, isso não existe. “Já disseram que iam iniciar uma campanha de prevenção, mas tudo que fizeram foi colar nos ambientes o telefone dos psiquiatras”, reclama Boudens. “Não existe capacitação das chefias para cuidar dessa questão. Não há acompanhamento, mas perseguição”, completa.

Outro lado
O Ministério da Justiça e Segurança Pública, órgão responsável pela PF, defendeu em nota que a prevenção ao suicídio é um tema de “extrema relevância” para a pasta e “por isso foi definido como uma das prioridades para atuação do Ministério da Justiça e Segurança Pública por meio da Secretaria Nacional de Segurança Pública. A Lei nº 13.675/2018 instituiu o Programa Nacional de Qualidade de Vida para Profissionais de Segurança Pública, o Pró-Vida e, desde então, estão sendo desenvolvidas ações para execução do programa”.

O órgão informou que, em 13 de agosto, promoveu o Encontro Técnico Anual do Pró-Vida, com 170 profissionais da área de segurança de todo o país para “difundir conhecimentos técnicos e de prevenção”. “Estamos estimulando e incentivando a elaboração, a execução e o monitoramento de ações nas áreas de saúde, de qualidade de vida e de segurança dos profissionais de Segurança Pública de todo o país”, garantiu a nota.

Prevenção em pauta
Esta terça-feira (10/09/2019) marca o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, promovido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O Metrópoles tem a política de publicar informações sobre casos de suicídio ou tentativas que ocorrem em locais públicos ou causam mobilização social. Isso porque é um tema debatido com muito cuidado pelas pessoas em geral.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o assunto não venha a público com frequência, para que o ato não seja estimulado. O silêncio, porém, camufla outro problema: a falta de conhecimento sobre o motivo que, de fato, leva essas pessoas a se matarem.

Depressão, esquizofrenia e uso de drogas ilícitas são os principais males identificados pelos médicos em um potencial suicida. Problemas que poderiam ser tratados e evitados em 90% dos casos, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria.

Está passando por um período difícil? O Centro de Valorização da Vida (CVV) pode te ajudar. A organização atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e Skype 24 horas todos os dias.

Fonte: Metrópoles
Publicada em 10 de setembro de 2019 às 09:00

 

Leia Também

Mega-sena: sorteio neste sábado pode dar R$ 100 milhões

As apostas podem ser feitas até as 19h, em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa em todo o país.

Obra recebe adequações  e Praça do Beira Rio Cultural de Ji-Paraná será entregue em novembro

Com visual novo e aconchegante a praça do beira rio deverá atrair famílias, eventos e turistas

Novos professores de Rondônia são enquadrados na Carreira de Magistério Ensino Básico Técnico e Tecnológico

Enquadrando mais 19 professores de Rondônia no EBTT.

Hospital de Base e Cemetron abrem processo seletivo para programa de residência médica

Sesau oferece mais de 40 vagas para Porto Velho em várias áreas de especialidades médicas. Hospital Regional de Cacoal também está com processo seletivo aberto.

Envie seu Comentário