Ministério da Justiça e Segurança Pública investiga operadoras de telefonia por propaganda enganosa

Ministério da Justiça e Segurança Pública investiga operadoras de telefonia por propaganda enganosa

O Ministério da Justiça e Segurança Pública instaurou, nesta segunda-feira (20), o quarto processo administrativo contra operadoras de telefonia celular. Desta vez, as empresas Oi e Vivo terão que prestar esclarecimentos por utilizar o termo “5G” em campanhas publicitárias, veiculadas antes mesmo de acontecer o leilão da frequência pela Anatel.

A ação pode configurar infração ao Código de Defesa do Consumidor, uma vez que informações passadas sem clareza e que induzam o consumidor ao erro configuram violação da legislação. A investigação será conduzida pela Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), e as empresas têm dez dias para apresentar defesa.

Somente em agosto, a Senacon abriu processo contra outras duas operadoras — Tim e Claro — pelos mesmos motivos. Caso sejam condenadas por práticas publicitárias abusivas, poderão pagar multa de até R$ 11 milhões.

Código de Defesa do Consumidor

No artigo 6º, o Código de Defesa do Consumidor (CDC) define que é direito básico do consumidor obter informações adequadas, claras e inequívocas sobre os diferentes produtos e serviços, para que seja assegurado o exercício do direito de escolha por parte do consumidor. Com base no direito à informação, o CDC determina que os fornecedores devam se atentar a prevalência do princípio da boa-fé, da confiança, da transparência e da educação, com o intuito de garantir a harmonização dos interesses das partes.

Fonte: MINISTÉRIO DA JUSTIÇA
Publicada em 23 de setembro de 2021 às 11:52

 

Leia Também

Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial

Até agora, o dinheiro apenas podia ser movimentado por meio do aplicativo Caixa Tem, que permite o pagamento de contas domésticas (água, luz, telefone e gás), de boletos, compras em lojas virtuais ou compras com o código QR (versão avançada do código de barras) em maquininhas de estabelecimentos parceiros.

MP expede recomendação ao Governo do Estado para que não sancione e vete Projeto de Lei que altera o Zoneamento 

A recomendação considera contrariedades e inconsistências verificadas no Projeto de Lei Complementar, submetido ao Poder Executivo Estadual em 07 de outubro.

Avenida Calama ganha iluminação pública diferenciada

Foco é mais qualidade, segurança e economia

Agevisa incentiva ações de prevenção, diagnóstico e tratamento da sífilis adquirida e congênita para inibir casos em Rondônia

Agevisa libera insumos como testes rápidos para sífilis, HIV, hepatite B e C, preservativos e medicamentos

Envie seu Comentário