Eleição anulada em França por falta de paridade. Há mulheres a mais

Eleição anulada em França por falta de paridade. Há mulheres a mais

O município de Sarcelles, a noroeste de Paris, em França, elegeu demasiadas mulheres. Pelo menos, assim entendeu o Tribunal Administrativo de Cergy-Pontoise, que anulou as eleições locais por não respeitar a lei da paridade, escreve o Le Fígaro.

As eleições de dezembro do ano passado elegeram para aquele município de Val-d'Oise o autarca Patrick Haddad (Partido Socialista) e este nomeou 14 adjuntos: oito mulheres e seis homens, todos do mesmo partido.

A denúncia foi feita pela oposição, que sublinhou o incumprimento das regras previstas pela lei. Em cada comuna com mil ou mais habitantes o princípio da paridade impõe que "a obrigação de apresentar uma lista onde cada sexo é representado em paridade, com uma diferença de, no máximo, uma unidade".

O escrutínio popular foi, portanto, anulado e o conselho municipal aconselhado a realizar novas eleições "no prazo de quinze dias". 

Patrick Haddad já reagiu questionando o que pensará Marlène Schiappa, secretária de Estado para a Igualdade, sobre o facto de "a lei de paridade, que serve para promover a presença de mulheres na política, ser usada para forçar uma mulher a renunciar ao cargo".

Fonte: mundo ao minuto
Publicada em 31 de janeiro de 2019 às 14:25

 

Leia Também

Justiça começa julgamento do recurso dos ex-deputados da Operação Dominó

Investigações apontam desvio de mais de R$ 11 milhões da Assembleia Legislativa de Rondônia

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira o maior prêmio deste ano

De acordo com a Caixa, o valor do prêmio, caso aplicado na poupança, renderia mais de R$ 334 mil mensais.

Morte de ji-paranaenses em trágico acidente no Mato Grosso gera dor e comoção

As vítimas estavam retornando de viagem a Ji-Paraná em um automóvel Fiat Palio.

Alunos voltam a ficar sem aulas porque ônibus enviados a União Bandeirantes são impedidos de circular

Situação está causando nova revolta na população, que espera uma solução imediata, com ameaça de voltar a fechar a BR

Envie seu Comentário