Depois de quarentena rigorosa, Portugal inicia desconfinamento "preocupado"

Depois de quarentena rigorosa, Portugal inicia desconfinamento

Portugal, país que se destacou pela disciplina na quarentena, agora terá de lidar com o processo de "desconfinamento". O desafio é reativar a economia e a rotina dos portugueses sem provocar uma nova onda de transmissão do novo coronavírus.

Por isso, o país aposta novamente na cautela. O Estado de Emergência não vigora desde o dia 2 de maio, mas deu lugar ao Estado de Calamidade, para que o governo possa "puxar o freio", caso a situação volte a piorar. No mais recente levantamento divulgado pelo ministério da Saúde, o país registrou um total de 1.163 mortes e 27.913 casos de covid-19. O aumento diário no número de casos mantém-se a valores baixos. Entre segunda (11) e terça-feira (12) foi de 0,8%.

Um plano de suspensão de medidas restritivas está em vigor. Ao mesmo tempo em que permite maior liberdade, impõe regras para evitar a disseminação da doença. As máscaras, por exemplo, tornaram-se obrigatórias nos transportes públicos e ambientes fechados. Se não forem usadas em metrôs e ônibus, por exemplo, a multa é de até 350 euros (R$ 2,2 mil).

Os cidadãos podem circular normalmente pelas ruas, desde que respeitem o "dever de recolhimento domiciliário" e não façam reuniões ou aglomerações com mais de 10 pessoas. Já os doentes de covid-19 e pessoas monitoradas são obrigados a permanecer em confinamento.

Na primeira fase do plano, compreendida entre 4 e 17 de maio, está autorizada a abertura do comércio local. São lojas com até 200 metros quadrados, livrarias, barbearias, cabeleireiros e outros estabelecimentos de pequeno porte.

Um alívio para esses comerciantes, que estavam desde o dia 19 de março com as portas fechadas e agora podem começar a recuperar o prejuízo.

É o caso de Mahmud Muhammad, sócio proprietário de uma rede de barbearias no norte do país. A paralisação total da empresa provocou "um prejuízo imensurável e irreparável", nas palavras do empresário.

Junto com o alívio da reabertura, veio também um conjunto de obrigações. Os profissionais devem trabalhar equipados com luvas, máscaras e, dependendo do procedimento, viseiras. Os serviços só podem ser realizados mediante agendamento e os clientes que esperam pela vez não podem ficar dentro das lojas. Também devem ser disponibilizados álcool gel e máscaras aos fregueses.

Com a equipe toda equipada para o trabalho, Muhammad se mostra dividido entre a esperança destes novos dias e a preocupação com as finanças, já que o movimento nas barbearias é 40% menor do que antes da pandemia. "Eu tenho muita fé, sei que isso vai passar, mas no âmbito comercial, estou muito preocupado pelo cenário", diz o empresário que é nascido na Jordânia, mas naturalizado brasileiro.

Este misto de otimismo com preocupação também é evidente nas palavras de Mafalda Neves, que trabalha como vendedora em uma loja de calçados na Rua Santa Catarina, uma das mais importantes para o comércio da Cidade do Porto. Mafalda admite que não é fácil se acostumar com as novas regras, principalmente quando há clientes que insistem em desrespeitá-las. "Há clientes que não entendem. Muitos não querem usar máscara, por isso tem que explicar que é obrigatório e pronto", diz a vendedora.

Na primeira fase do plano, compreendida entre 4 e 17 de maio, está autorizada a abertura do comércio local. São lojas com até 200 metros quadrados, livrarias, barbearias, cabeleireiros e outros estabelecimentos de pequeno porte

A volta ao trabalho foi fundamental para Mafalda sair do aperto. A loja chegou a receber benefícios do Governo para conseguir manter os empregos. Por isso, durante a quarentena ela teve que se virar com o salário mínimo de 635 euros (R$ 4 mil). Um ordenado menor do que costuma ganhar e que ainda tem 11% de desconto para a segurança social. "Para pagar escola, rendas (aluguel), água, luz e se alimentar, não dá. Graças ao meu patrão agora pudemos abrir as lojas e receber mais um bocadinho", explica Mafalda que tem uma filha de sete anos.

Antes da entrevista para esta reportagem, Mafalda acabara de transmitir sua insatisfação com o benefício do governo, diretamente ao primeiro-ministro Antônio Costa. Isso porque a loja em que ela trabalha foi um dos estabelecimentos visitados pelo chefe de Estado, na última sexta-feira (8).

Costa foi até região central da Cidade do Porto com o objetivo de transmitir confiança e ânimo à população. Andou de metrô, percorreu as ruas, conversou com comerciantes e pessoas que o abordavam pelo caminho. "Podem viajar em segurança nos transportes públicos e podem ir com segurança ao comércio local. É importante que todos vamos vencendo o receio legítimo que temos relativamente à situação do vírus", disse durante entrevista coletiva.

Ao final da coletiva, o primeiro-ministro reiterou que não haverá medidas de austeridade para contornar a crise econômica gerada pela pandemia.

"Seguramente o que esta crise precisa não é de austeridade... O desafio que nós temos é dar confiança às pessoas", declarou Costa.

De acordo com a Comissão Europeia, a queda no PIB de Portugal neste ano deve ser de 6,8%. Já a taxa de desemprego deve saltar dos 6,5% em 2019 para 9,7% em 2020. Previsões que são ainda mais otimistas que as do FMI, que estima recessão de 8% e desemprego a 13,9% este ano.

Próximos passos

Seguindo o plano de "desconfinamento", Portugal deve fazer uma avaliação do relaxamento das medidas restritivas a cada 15 dias. "É importante que o governo esteja atento àquilo que está a acontecer (...) em termos do número novo de infecções, evolução da mortalidade, cuidados intensivos e até dos doentes internados por covid-19", afirma o bastonário da Ordem dos Médicos de Portugal, Miguel Guimarães.

A partir da próxima segunda-feira (18), a reabertura será maior em Portugal, com a segunda etapa do "desconfinamento".

Depois de dois meses, os portugueses poderão fazer uma das coisas que mais apreciam: comer fora. Restaurantes, bares e cafés poderão abrir, mediante novas obrigações, como medidas de higienização mais frequentes e rigorosas e redução da capacidade máxima para garantir a distância de até 2 metros entre as pessoas.

Alívio para o Antônio Aleixo, que é gerente de uma confeitaria no centro da Cidade do Porto. O estabelecimento abriu no dia 4, mas ainda tem muito pouco movimento. "Estamos ainda a 'conta gotas'. Mas a gente está otimista. As pessoas querem tomar um cafezinho e sentar, comer um pastelzinho de Belém. São coisas que não fazem em casa", diz.

Primeiro Ministro Antônio Costa foi até região central da Cidade do Porto com o objetivo de transmitir confiança e ânimo à população

A segunda etapa também contempla outros espaços, como lojas de até 400 metros quadrados, museus, monumentos, creches e escolas para estudantes do ensino secundário (semelhante ao ensino médio).

No final do mês as igrejas reabrem as portas e o futebol retoma algumas competições.

E a partir do dia 1º de junho, o plano contempla a abertura de espaços como cinemas, teatros, centros comerciais e grandes lojas. Também libera parcialmente o trabalho presencial nas empresas que estão em "home office".

Para o bastonário da Ordem dos Médicos, o desconfinamento em Portugal começou na hora certa, embora a situação ainda seja preocupante. Mas ele acha que o momento não deve ser encarado com medo pela população e sim com "respeito ao vírus": acatar as regras de proteção como usar máscaras e manter o distanciamento físico, etiqueta respiratória e higiene das mãos é fundamental para que o plano dê certo.

"Esta batalha não se ganha só com os políticos ou com os médicos, se ganha com os cidadãos", declara o médico.

Fonte: BBC NEWS BRASIL
Publicada em 14 de maio de 2020 às 17:51

 

Leia Também

Nova classificação dos municípios de Rondônia começa a vigorar a partir desta sexta-feira, 14

Essa reclassificação acontece a cada 14 dias e o Governo de Rondônia usa como base critérios técnicos estabelecidos

Governo atualiza o piso salarial dos professores da rede estadual de ensino em Rondônia

O piso salarial dos profissionais da rede pública da educação básica em início de carreira, com carga horária de 40 horas

Governo de Rondônia realiza 1º leilão virtual de veículos no próximo dia 25

172 lotes com variação entre R$ 10 (dez reais) e R$ 20 mil (vinte mil reais).

Governo de Rondônia apresenta plano de retomada ao turismo no Estado

Para divulgá-lo, a Superintendência Estadual de Turismo (Setur) se reunirá com autoridades e agentes dos municípios de Cacoal

Envie seu Comentário