Bem-vindo, Covid-19! - Por Professor Nazareno

Bem-vindo, Covid-19! - Por Professor Nazareno

O Coronavírus ou Covid-19 é um vírus perigosíssimo que começou a infectar e a matar seres humanos no interior da China e está se espalhando por todo o mundo numa velocidade espantosa. Muitos países de Primeiro Mundo como a Itália, o Japão e a Coreia do Sul já registram várias mortes e centenas de pessoas já foram infectadas. Foi provavelmente uma falha humana e já chegou ao Brasil, pois era apenas uma questão de tempo. E, graças a Deus, logo estará “fazendo estragos” em terras tropicais. O que ainda não se sabe é se a ameaça chegará aqui com a mesma força que tem mostrado nas terras geladas do hemisfério norte ou se perderá força com o calor dos trópicos. O fato é que se demonstrar o mesmo poderio que tem mostrado no mundo civilizado, devastará meio mundo. Sem a menor infraestrutura no setor da saúde pública, será o novo Armagedom.

Com muita competência e determinação somente para pular Carnaval e torcer por times de futebol, e também para muitas outras coisas inúteis, os brasileiros morrerão feito formiga principalmente aqueles mais pobres. Com o Covid-19 instalado em terras tupiniquins, em todas as cidades o caos se instalará rapidamente piorando uma situação que por si só já é extremamente caótica. Se não perder força, o novo vírus será uma espécie de Peste Negra na “latrina do mundo”. Em províncias atrasadas como Rondônia, por exemplo, populações inteiras serão dizimadas como insetos. Sem a menor estrutura para enfrentar sequer a realidade do dia a dia, o caos se instalará em questão de dias. Hospitais lotarão e as cidades serão riscadas do mapa em semanas. Os cemitérios logo ficarão saturados e não caberá mais tanta gente morta com os enterros.

O pior é que o vírus sequer esperou o Carnaval passar para chegar a estas atrasadas e distantes terras. Os corruptos governantes do país, que esperam décadas e mais décadas para construir um simples hospital, não terão muito que fazer se a catástrofe viral for instalada. A falta de saneamento básico e de água tratada só vai contribuir para o vírus se disseminar mais rapidamente. Tremo só de pensar que em Porto Velho tenhamos somente o “açougue” João Paulo Segundo e o Hospital de Base para enfrentar a possível e concreta ameaça. E não adianta tratar apenas os ricos e endinheirados ou aqueles que têm os melhores planos de saúde. Todos estarão sujeitos à nova ameaça e deverão ter o mesmo tratamento do Poder Público. Pelo visto, nos próximos dias, muitos dos porto-velhenses usarão máscaras mesmo sem ser Carnaval.

Num país onde grande parte do povo pobre, que não pode pagar pela medicina privada, pede nas ruas a privatização de tudo, já se sabe quais serão as consequências sobre a população de uma pandemia como essa que se anuncia. A não ser que os muitos pastores evangélicos, aqueles que dizem curar as enfermidades de seus fiéis, comecem logo a buscar a cura para o Covid-19 antes que a “anunciada hecatombe” paire sobre nós. Se não for contida a tempo, a nova Peste Negra será um pandemônio. Quero ver os petistas, os bolsomínions e outras denominações toscas, tanto de direita quanto de esquerda, continuarem com seus discursos tolos e vazios diante do inferno instalado. Mas além do Coronavírus, há também outra terrível ameaça sobre Rondônia e sua gente: o ex-goleiro Bruno deverá jogar o campeonato estadual de futebol pelo Guajará Esporte Clube. Se existir outra reencarnação, acho que os rondonienses chutaram a cruz

Fonte: Professor Nazareno
Publicada em 26 de fevereiro de 2020 às 08:42

 

Leia Também

Lotofácil terá mudanças a partir da próxima segunda-feira

Até então, a Lotofácil era sorteada às segundas, quartas e sextas.

Semusa vai imunizar moradores do residencial Orgulho do Madeira

Sarampo, rotina e gripe serão alguns tipos de vacinas que serão aplicadas durante os quatro dias de atividades

“Combatendo a Covid-19” atende pacientes em força-tarefa

Outras regiões da Capital também serão contempladas como, por exemplo, o bairro Socialista

Cremero participa de reunião com Ministro da Saúde e CFM

Os Conselhos puderam pontuar suas dificuldades durante a pandemia e ainda solicitar apoio ao Ministério quanto a necessidades particulares de cada região.

Envie seu Comentário