Justiça do Trabalho manda indenizar ex-garçonete que era chamada de burra a débil mental por patrão em restaurante

Justiça do Trabalho manda indenizar ex-garçonete que era chamada de burra a débil mental por patrão em restaurante

Uma ex-garçonete do restaurante Papassoni Comércio de Alimento Ltda de Porto Velho/RO ganhou na Justiça do Trabalho o direito de receber uma indenização por danos morais no valor de R$ 8 mil por ser constantemente agredida com palavras grosseiras e ofensivas pelo proprietário. A decisão é da 4ª Vara do Trabalho de Porto Velho.

A autora da ação afirma que sofreu assédio moral do proprietário da reclamada que habitualmente gritava e se dirigia à garçonete na época, inclusive na frente de clientes, com gritos e palavras grosseiras e ofensivas, usando termos como “sua burra, sua estúpida, sua débil mental, sua lerda, incompetente, quadrada, imprestável”.

De acordo com testemunhas ouvidas pela juíza do Trabalho Substituta Marcella Dias Araujo Freitas, o proprietário mantinha uma postura agressiva com a maioria dos empregados e proferia, com frequência, xingamentos à autora na frente dos seus colegas e de clientes da empresa. Segundo a decisão, o sócio do estabelecimento confessou de certa forma em seu testemunho que o sócio mantinha tal conduta perante à subordinada.

“Pela prova oral produzida em Juízo, ficou claro e robustamente provado o tratamento humilhante e desrespeitoso mantido pelo sócio Isaías em detrimento da reclamante, isso durante todo o contrato de trabalho, o que configura o assédio moral sofrido pela reclamante no regular exercício de suas funções e merece o devido reparo pelos danos morais a ela causados”, argumentou Marcella.

A magistrada explicou em sua sentença que o assédio moral caracteriza-se pelas práticas discriminatórias e humilhantes adotadas pelo empregador, de forma repetitiva e persistente, durante a prestação laboral que degradam o ambiente de trabalho, tornando insuportável a manutenção do vínculo empregatício.

Além da condenação por danos morais, o restaurante deverá ainda anotar a baixa na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e fornecer as guias para saque do FGTS, bem como pagar saldo de salário de julho/2018, aviso prévio indenizado, décimo terceiro salário, férias mais terço constitucional e FGTS mais multa de 40%. Também deverá pagar horas extras, honorários de sucumbência para o advogado da reclamante e custas processuais.

Fonte: Assessoria
Publicada em 05 de outubro de 2018 às 09:36

 

Leia Também

Adelino Follador participa da inauguração da ponte sobre o rio Jamari em Itapuã do Oeste

A ponte faz parte da compensação social da Eletronorte pela construção da UHE Samuel

Delegacia de Monte Negro permanecerá aberta após pedido do deputado Alex Redano

Parlamentar assegurou a continuidade do funcionamento da delegacia no município

Ismael Crispin pede apoio do DER para conclusão de conjunto habitacional em Espigão do Oeste

Ao total 200 casas foram construídas no Conjunto Habitacional Esperança e que agora aguardam acabamentos para serem entregues

Deputado Geraldo da Rondônia participa de reunião com diretor do DER e solicita urgência na recuperação das rodovias do estado

Parlamentar destacou a importância de alinhamento de ações com o DER para sanar os problemas de cada região

Envie seu Comentário