Casamentos com menores de idade na África e Ásia devem aumentar, diz ONU

Casamentos com menores de idade na África e Ásia devem aumentar, diz ONU

Os casamentos de meninas menores de idade na África e na Ásia devem aumentar devido à recessão econômica causada pela pandemia de covid-19, estimam a Organização das Nações Unidas (ONU) e organizações não governamentais.

As dificuldades econômicas associadas ao novo coronavírus vão levar mais 13 milhões de meninas a casarem-se antes dos 18 anos, face ao que estava previsto antes da pandemia, avançou a ONU, enquanto a organização Save the Children adianta que quase meio milhão de meninas menores estão em risco de se casarem neste ano, principalmente na África e na Ásia.

Na Serra Leoa, país em que a taxa de meninas a casarem-se com menos de 18 anos desceu de 56% para 37%, entre 2006 e 2017, várias meninas regressaram à casa dos pais após o fecho das escolas devido à pandemia, em março, fato que contribuiu para a inversão da tendência decrescente.

"Não se sabia ao certo quando as aulas seriam retomadas. Muitos pais temiam que as filhas ficassem grávidas fora do casamento. Quando um filho se casa, o pai não é mais responsável pela sua alimentação, nem por pagar as suas despesas. Numa casa com muitos filhos, é uma pessoa a menos [para alimentar]", disse à Associated Press Isata Dumbaya, responsável da organização Partners in Health para a saúde reprodutiva e materna no país da África Ocidental.

Aquando do casamento, os pais 'livram-se' das despesas com a filha e recebem um pedaço de terra ou uma manada de gado a partir dos quais podem extrair rendimento, enquanto a menor tem de assumir as tarefas domésticas e o trabalho agrícola na nova casa, acrescentou.

Isata Dumbaya referiu ainda que "muitas das mães dessas meninas casaram-se na adolescência e veem o casamento precoce como normal".

A primeira-dama da Serra Leoa, Fatima Maada Bio, que fugiu para o Reino Unido ainda adolescente, quando soube que o pai já lhe tinha destinado um casamento, tem realizado campanha contra o casamento infantil desde 2018, ano em que o marido, Julius Maada Bio, se tornou Presidente.

"O casamento precoce, em todas as suas formas, é violação legalizada", disse à Associated Press.

Na Jordânia, cerca de 10% das meninas casava-se com menos de 18 anos, mas essa taxa era maior entre os refugiados palestinos e sírios, com tendência para aumentar, adiantou a representante da UNICEF para aquele país do Oriente Médio.

"Infelizmente, vimos um aumento no casamento infantil em campos de refugiados desde o início da pandemia, pois as famílias lutam para lidar com isso", disse Tanya Chapuisat.

Na Índia, o confinamento para conter o vírus no final de março fez com que milhões de imigrantes perdessem os empregos, voltassem aos locais de origem e, com as escolas fechadas, recorressem ao casamento de meninas menores para reduzirem as despesas.

A organização ChildLine Índia registrou 5.214 casamentos prematuros entre março e junho de 2020, uma estimativa que considera abaixo da realidade, já que a maioria dos casos não é relatada.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.612.297 mortos resultantes de mais de 72,1 milhões de casos de infecção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

As medidas para combater a covid-19 paralisaram setores inteiros da economia mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou que a pandemia reverterá os progressos feitos desde os anos de 1990, em termos de pobreza, e aumentará a desigualdade.

Fonte: NOTICIAS AO MINUTO
Publicada em 15 de dezembro de 2020 às 09:14

 

Leia Também

Procon orienta população de baixa renda sobre direito à tarifa social na fatura de energia para evitar cortes até setembro

Programa de Tarifa Social de Energia Elétrica garante manutenção do consumo de energia mesmo estando inadimplente

Homem luta na Justiça para provar que ganhou R$ 18 milhões na Lotomania

Marcos Pessoa tenta atestar há 4 anos que houve erro na leitura do cartão de apostas dele

Porto Velho reduz faixa etária para vacinar pessoas acima de 32 anos com cadastro no SASI

A população do município deve seguir efetuando o cadastro no aplicativo SASI

Cremero descobre falsa médica dando plantão em Hospital de Campanha de Porto Velho

O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público de Rondônia (MP-RO) que vai analisar a denúncia.

Envie seu Comentário