Mais de 2 mil grávidas estão infectadas por HIV em Rondônia

Mais de 2 mil grávidas estão infectadas por HIV em Rondônia

Descobrir na gestação o diagnóstico do vírus HIV (vírus causador da Aids) e realizar o tratamento com medicamentos antirretrovirais regularmente é a realidade de 2.367 pacientes gestantes da Capital. A maioria do diagnóstico das mães portadoras do vírus acontece quando a grávida realiza os exames da primeira consulta do pré-natal.

A primeira coisa a fazer após receber a confirmação do diagnóstico é procurar tratamento, hoje existem medicamentos que combatem a quantidade de vírus no organismo e evitam que o sistema imunológico da mãe e do bebê seja prejudicado. O tratamento previne a transmissão vertical do HIV, quando a infecção do vírus passa da mãe para o filho, durante o período de gestão (intrauterino), parto ou aleitamento materno. No último ano quatro bebês contraíram o vírus por amamentação na Capital.

Em Porto Velho a Secretaria Municipal de Saúde dispõe do Serviço de Atenção Especializada (SAE), com uma equipe multidisciplinar especialista em atender pacientes portadores de HIV/AIDS. Segundo a secretária de Saúde do Município, Eliana Pasini, “em toda a rede de saúde da atenção básica do município, estão disponíveis exames para detecção do HIV, serviço ofertado às gestantes durante o pré-natal”, informou ela.

O HIV pode ser transmitido de duas formas: horizontal ou vertical. A primeira pode ocorrer quando há sexo sem preservativo, ou pelo compartilhamento de seringas e agulhas contaminadas. Já a transmissão vertical ocorre entre a mulher o bebê durante a gestação, parto ou amamentação. ”Essa forma de transmissão, pode ser reduzida para menos de 2%, com a adoção das medidas eficazes de prevenção,” pontou Régia. A transmissão vertical é a principal via de infecção do vírus HIV na população infantil.

De acordo com Régia Martins, gerente do Departamento de Vigilância em Saúde, todas as gestantes e seus parceiros sexuais devem realizar o teste, uma vez que o diagnóstico e o tratamento precoce pode garantir o nascimento saudável do bebê.

O número de casos de sífilis em gestantes também aumenta, segundo os dados do Sinan/Núcleo IST Aids e Hepatites Virais/Agevisa no primeiro semestre do ano Porto Velho registrou 207 notificações. A sífilis na gestação pode causar trabalho de parto prematuro, abortamento precoce e desenvolver problemas de malformação cerebrais no bebê.

O SAE oferece atendimento humanizado com assistentes sociais, psicólogos, nutricionistas as gestantes portadoras do vírus e co-infectadas com outras doenças sexualmente transmissíveis, encaminhadas pela Unidade Básica de Saúde ou recebidas na própria unidade. Após o nascimento o bebê infectado pelo vírus recebe tratamento até os dois anos.

O teste rápido para detectar o vírus HIV/Aids e também para diagnóstico da sífilis e das hepatites B e C é gratuito e pode ser realizado no SAE localizado na Avenida Duque de Caxias, em Porto Velho, ou nas Unidades Básicas de Saúde e no Centro de Testagem e Aconselhamento na Policlínica Oswaldo Cruz, na Avenida Jorge Teixeira, Setor Industrial.

No primeiro semestre do ano já foram notificados em Rondônia 323 casos de HIV/Aids, entre os números 134 casos foram confirmados em Porto Velho. A falta do uso da camisinha ainda é a principal causa para aumento no número de casos das doenças.

Fonte: Diário da Amazônia
Publicada em 19 de julho de 2019 às 15:50

 

Leia Também

Através do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública projeto visa combater crimes organizados na região Norte

Governador Marcos Rocha destacou a importância do Centro Norte para a segurança Pública

Pagamento dos servidores públicos do estado de Rondônia será no dia 20

O aquecimento com o pagamento da folha é de aproximadamente R$ 277 milhões

Sepog divulga PIB dos municípios rondoniense em 2017

Porto Velho, Ji-Paraná, Vilhena, Ariquemes, Cacoal, Jaru, Rolim de Moura, Pimenta Bueno, Guajará-Mirim e Ouro Preto do Oeste aparecem como as principais economias dentre os municípios

´´Brasil está no caminho de um futuro tóxico´´diz relator da ONU

Depois de tentar por cinco anos visitar o Brasil, enviado apontou problemas de transparência, legislação e punição para crimes ambientais

Envie seu Comentário