MPF denuncia Cunha, Geddel e mais 16 por fraudes na Caixa Econômica

MPF denuncia Cunha, Geddel e mais 16 por fraudes na Caixa Econômica

O Ministério Público Federal (MPF) levou à 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília, quatro denúncias relacionadas a irregularidades em operações da Caixa Econômica Federal envolvendo troca de propinas.

As denúncias apresentadas nesta quinta-feira(4), fazem parte das investigações da Operação Cui Bono. Segundo informou o portal G1, entre os nomes investigados pelo MPF estão o do ex-deputados e presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, o ex-ministro Geddel Vieira, o operador Lúcio Funaro e o ex-vice presidente da Caixa, Fábio Cleto.

Os acusados devem responder pelos crimes de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro. Os procuradores do MPF pedem multa e reparação de danos que ultrapassam os R$ 3 bilhões.

Segundo apurou o MPF, foram identificados R$ 17,9 milhões a Geddel Vieira Lima, R$ 89,5 milhões a Eduardo Cunha de 2011 a 2015 e R$ 6,7 milhões a Henrique Alves de 2012 a 2014. As investigações relacionaram as operações de créditos fos seguintes grupos Marfrig, Bertin, J&F Grupo BR Vias e Oeste Sul Empreendimentos Imobiliários. Duas acusações ainda se referiam a operações feitas com recurso do FI-FGTS.

As investigações concluíram que o esquema era sustentado por três frentes: o grupo empresarial, o de empregados públicos que operavam na Caixa e no FGTS e o grupo político e de operadores financeiros.

Veja a lista dos denunciados:

Altair Alves Pinto, apontado como operador de Eduardo Cunha;

Wellington Ferreira da Costa, ex-assessor de Henrique Alves;

Marcos Antonio Molina dos Santos, executivo do Grupo Marfrig;

Sidney Norberto Szabo, apontado como operador de Eduardo Cunha;

Natalino Bertin, sócio do grupo Bertin;

Reinaldo Bertin, sócio do grupo Bertin;

Silmar Bertin, sócio do grupo Bertin;

Alexandre Margotto, ex-auxiliar de Funaro;

Eduardo Montagna de Assumpção;

Henrique Constatino, sócio da Gol;

Roberto Derziê, ex-vice-presidente da Caixa;

Hugo Fernandes da Silva Neto, operador ligado a Funaro;

José Carlos Grubisich Filho, ex-presidente da Eldorado Celulose.

Fonte: Mundo ao Minuto
Publicada em 05 de outubro de 2018 às 10:25

 

Leia Também

Expedito Júnior é condenado pela 2ª vez a não utilizar o nome de Bolsonaro

A juíza eleitoral Rosemeire Conceição dos Santos Pereira de Souza indeferiu pela segunda vez o pedido de utilização da imagem do candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) pelo candidato ao Governo de Rondônia, Expedito Júnior (PSDB)

Maurão de Carvalho diz que matéria sobre fechamento da casa de apoio em Barretos é mentirosa e maldosa

Ele garantiu manter casa funcionando até final do ano e que busca parcerias para seguir com o abrigo aos pacientes com câncer

Jesuíno realiza audiência para apurar providências adotadas quando ao voto em trânsito de PMs

Número de policiais militares que ficou sem votar ainda não foi divulgado

Jesuíno Boabaid critica comando da PM e cita possível conspiração

Parlamentar informou que 300 policiais militares teriam ficado sem votar

Envie seu Comentário