Na reta final de campanha, Maurão é a surpresa! – Por Rubson Luiz*

Na reta final de campanha, Maurão é a surpresa! – Por Rubson Luiz*

Desde que iniciou as primeiras articulações em 2018 para as eleições, já se sabia quem seriam os grandes concorrentes ao Governo de Rondônia. Há pouco mais de uma semana do pleito, pouca coisa mudou entre os prováveis eleitos: Expedito Júnior mantém a ponta, Gurgacz – abatido pela condenação, segue no jogo, mas vem perdendo fôlego e dando lugar a Maurão de Carvalho, na segunda vaga para o segundo turno. 

Nunca foi tão fácil para Expedito Júnior vencer a eleição ao Governo. Mas que ele não se engane, pois na eleição passada, Confúcio Moura virou o jogo, quase nos acréscimos depois de cooptar os 52 prefeitos do Estado ao seu favor, deixando Expedito a ver navios. Será que Maurão poderá fazer o mesmo? O tempo dirá. Eleição e mineração, só depois da apuração, já diz o velho ditado. Tem gente que vai dormir eleito e acordar suplente. 

Se der PSDB e MDB no segundo turno, estará configurada a grande decepção do PSB, que tinha amplas condições de eleger Daniel Pereira para a reeleição e também o ex-prefeito de Ji-Paraná, Jesualdo Pires. Gurgacz demorou demais para decidir e a demora em jogar a toalha, prejudicou todo o grupo. Nazif, mais uma vez se fez de morto e defendeu somente sua candidatura, em detrimento do partido. O PSB era a grande chance da esquerda em Rondônia. 

Quanto aos outros candidatos, o cenário não parece muito favorável, apesar dos bons representantes escolhidos pelos partidos e suas novas propostas de austeridade com o dinheiro público e combate à corrução. São candidatos, que, em sua maioria, estão iniciando sua carreira política e, talvez, já na próxima eleição, comece a ter uma melhor visibilidade. Os militares, dois coronéis – Charlom e Marcos Rocha – são grandes promessas para o futuro. 

Mas é bom esperar. As urnas sempre costumam ter surpresas. A grande briga estará para as oito vagas de deputado federal. Duas coligações da morte poderão deixar velhos caciques de fora da Câmara Federal. Tem muita gente para preencher a vaga de Nilton Capixaba (PTB) que nunca perdeu eleição no Estado. A tendência é a renovação de pelo menos 50% do atual quadro representativo. Grandes nomes surgiram na luta pelas quatro vagas. 

Quanto a deputado estadual, as esperanças de renovação são poucas. São os políticos que mais possuem curral eleitoral espalhados pelo Estado. Com raras exceções, a expectativa de mudanças vai ficar para 2022. A Assembleia Legislativa não tem sido ultimamente alvo de escândalos, o que deu uma certa sobrevida e uma “falsa” ideia de que está tudo bem. Mas volta-se a se repetir: eleição e mineração, só depois da apuração.

*Rubson Luiz é editor do site Via Rondônia e articulista político

Fonte: Rubson Luiz
Publicada em 28 de setembro de 2018 às 10:50

 

Leia Também

Em Brasília, Edwilson Negreiros luta por recursos para Porto Velho

Na tarde de quarta-feira, 13, Edwilson foi recebido em audiência pelo senador Marcos Rogério

Pressionado no Congresso, governo avalia lotear cargos no 2º escalão

Governistas vão tentar evitar que distribuição soe como fisiológica

Pela segunda vez, Gilmar Mendes manda soltar prefeito de Mauá (SP)

Alvo da Operação Trato Feito, deflagrada em maio, o político é acusado de ser beneficiário de um mensalão de R$ 500 mil, supostamente pago por um grupo de nove empresas fornecedoras da administração municipal

Bolsonaro define idades mínimas de 62 e 65 anos na Previdência

Decisão foi tomada após reunião com a equipe econômica, na tarde desta quinta-feira (14)

Envie seu Comentário