Pedrinho Rava destrincha fim do ciclo na Gávea: “Evoluí bastante em situações que não aparecem no scout” | Blog Garrafão Rubro Negro

6


Por meio de um comunicado no Instagram, na manhã desta quinta-feira (13), Pedrinho Rava anunciou que não seguirá no Flamengo para a temporada 2017-2018. O contrato venceu no dia 30 do mês passado, a renovação não aconteceu, e a tendência é que o armador divulgue seu novo clube nas próximas semanas.

 

Logo após o anúncio, o jovem jogador atendeu a reportagem do GRN e concedeu uma entrevista abordando o fim do ciclo. Ex-Macaé, o camisa 7 foi contratado para ser titular do time Sub-22 e integrar o elenco profissional. Com a camisa rubro-negra, conquistou o título Estadual e foi o grande destaque da primeira fase da LDB 2016. Confira toda conversa na íntegra a seguir.

 

 

Transparência na hora de avaliar o período em termos individuais

 

“Eu não digo que foi uma passagem ótima, pois, infelizmente, as lesões me atrapalharam. Porém, no geral, considero boa. Só consegui participar da temporada do adulto a partir da metade e demorei para me entrosar. Poderia ter terminado de forma excelente, mas como a gente não conseguiu vencer o NBB, faltou uma conquista importante.”

 

Participação positiva na Liga de Desenvolvimento

 

“De todas que joguei até agora, foi minha melhor LDB. Os números mostram isso, mesmo com o problema que tive na perna. Eu consegui ajudar meus companheiros o tempo todo e acabei liderando o grupo dentro e fora de quadra. O Rodrigo me deu essa oportunidade e acho que correspondi bem.”

 

Opinião franca a respeito do ano inteiro

 

 

“A temporada não foi legal. O problema extra-quadra da CBB nos atrapalhou, afinal, fomos punidos e não disputamos a Liga das Américas. Esse fato mudou todo planejamento, nosso foco passou a ser outro. A expectativa era alta para o torneio e foi complicado lidar com a adversidade. Fomos campeões estaduais sem disputar a partida final, o Vasco não compareceu e vencemos por W.O. E no NBB terminamos na primeira colocação geral apesar dos desfalques… A gente se superou muito e foi surpreendente. Até chegar as quartas, onde pegamos o Pinheiros. O time deles é bom e o Holloway acertou tudo no playoff. Abrimos 2-0, mas bobeamos e acabamos eliminados. O saldo final é um gostinho de que ficamos devendo.”

 

União do plantel 

 

“O convívio com os jogadores foi excelente. Antes, imaginava um cenário, mas quando cheguei, vi um completamente diferente. Dos times que joguei, esse foi o mais unido. Eu olhava para o lado e sabia que poderia confiar nos caras. Tinha certeza que todos estavam sempre em prol de colocar o Flamengo no topo. Trabalhar com JP, Marcelinho, Marquinhos, Olivinha e Ramon foi uma experiência inesquecível.”

 

Fla marcado na memória

 

“Eu sempre tive o sonho de defender o Flamengo. Não só pela torcida, mas pelo clube, por saber que grandes jogadores vestiram a camisa. Não foi da forma que gostaria, porém, ter essa Nação do meu lado é algo que vou levar para a vida inteira. O apoio do torcedor não se explica com palavras. O jeito que eles torcem e o fanatismo são duas coisas incríveis. Na hora que embalávamos, tínhamos força na arquibancada. Um momento marcante, que exemplifica, foi o jogo importante contra o Vasco, em Manaus. Vencemos e fizemos a festa.”

 

 

Elo construído com membros do clube e irmandade com Lelê

 

“Dos funcionários, além da comissão técnica, posso citar três que não vou esquecer. O Domingos e o Ricardo, Fisioterapeutas, que me ajudaram demais, deram muita força. E o Besouro, que é o roupeiro. Nas viagens, eu sempre ia no quarto dele. Ficamos amigos e ele se tornou uma pessoa especial. Do time, a amizade maior que construí foi com o Lelê. Moramos juntos onze meses e é um cara com coração gigantesco, que quero levar adiante. Sei que vou contar quando precisar, nos tornamos irmãos. Ele tem um potencial enorme, e se coloca para baixo em situações que não deveria, mas sei que o tempo vai ajudar no aprendizado. Aposto em um futuro brilhante.”

 

Despedida

 

“Minha saída foi triste, queria ter continuado. Permaneço de cabeça erguida e feliz por ter participado da instituição. Evoluí bastante em situações que não aparecem no scout, como mental e modo de pensar. Só tenho que agradecer e dizer que pretendo voltar um dia para ser campeão do NBB e da Liga das Américas. Em relação ao que vem pela frente, não tenho nada certo com ninguém, mas assim que acertar algo, vou anunciar nas redes sociais.”

 

Créditos Globo Esporte

Deixe seu Comentário