ELEIÇÃO 2018: MDB não sabe ainda o que vai fazer em 2018 – Por Rubson Luiz

134

O ano eleitoral começou para todos os partidos, mas não há ainda este ou aquele que se autoproclama pré-candidato a alguma coisa. À exceção de Ivo Cassol, que aproveita a inércia dos seus possíveis rivais e varre o estado de ponta-a-ponta semanalmente, parecem que a maioria ainda se encontra em cima do muro.

A crise maior está em cima do MDB, o maior partido do País e que hoje administra o Governo do Estado, possui uma vaga no Senado e outra na Câmara Federal. O nome da vez é Confúcio Moura, que apesar de ser um dos favoritos para o Senado fechou a porteira e não sabe se abre para o pessoal do partido ou para o PSB.

Esse é o grande dilema do MDB atualmente: quem será o nome do partido para o Governo do Estado. O partido possui nomes de peso como o do presidente do Legislativo estadual Maurão de Carvalho que já começa a se incomodar nos bastidores com a indecisão.

Maurão fez tudo o que pôde fazer: fechou com as bases, é um nome bem aceito no partido, mas esbarra na indecisão do chefe-maior que parece estar muito mais propenso a apoiar a colocar o PSB de Daniel Pereira no jogo e deixar o partido sair novamente como coadjuvante na eleição estadual.

Daniel Pereira, o vice de Confúcio, está no jogo como um kamikaze e fará de tudo para ser o preferido da coligação. É ele quem já convidou Confúcio Moura para ser o candidato a senador pelo PSB. Em troca herdaria 8 meses de governador do Estado e até uma vaga no Tribuna de Contas do Estado. Pelo menos é o que se comenta nos bastidores políticos.

Uma reunião que deve acontecer nesta quinta ou sexta-feira deve selar o destino do partido. Maurão de Carvalho certamente está disposto a dar alguns murros na mesa e exigir sua candidatura, que outrora já estava certa pelo partido, e que o MDB atue nas eleições 2018 como ator principal e não como coadjuvante.

Maurão possui um trunfo que fatalmente interessa Confúcio Moura que é o apoio dos evangélicos do Estado. Se Confúcio rifar a pré-candidatura do colega emedebista perderá votos preciosos em sua eleição. Em sua reeleição para o Governo, Confúcio venceu uma eleição que parecia estar perdida para Expedito Júnior. Logo, sabe que não pode abrir mão de qualquer voto ou mesmo achar que o jogo já está ganho.

Rubson Luiz é jornalista e editor do site VIARONDONIA.COM

Deixe seu Comentário