Unidade de saúde do Lagoinha cai no esquecimento, enquanto saúde municipal só piora.

Unidade de saúde do Lagoinha cai no esquecimento, enquanto saúde municipal só piora.

Inaugurado em 2013, a Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Lagoinha, na zona Leste de Porto Velho, é o exemplo do descaso do dinheiro público. Situado na região da cidade onde há o maior contingente populacional da capital, e onde mais há números de famílias carentes, a unidade continua fechada, tomada pelo matagal, com equipamentos comprados, e nunca atendeu um só paciente. 

A unidade chegou a ser alvo de vandalismo da própria comunidade, revoltada com a burocracia, mas foi reconstruída, entregue, e nada, continua sem funcionar. O período eleitoral já começou e, em breve, mais um prefeito certamente ocupará a vaga de Hildon Chaves na Prefeitura e a expectativa de dias melhores será renovada. Será que a unidade ficará fechada por mais um ano até o próximo prefeito eleito assumir o cargo?

O problema do posto de saúde, segundo alguns líderes comunitários do Lagoinha, é a falta de servidores. Isso mesmo, a unidade custou R$ 1 milhão, mas esqueceram de colocar no planejamento, os servidores municipais que iriam trabalhar nela. Um erro primário de gestão na saúde. A obra foi construída com dinheiro das compensação das usinas hidrelétricas. Nas últimas semanas, tudo o que tinha dentro foi levado pelos vândalos, ficando para trás, as paredes, o telhado e o piso. 

Isso ocorreu porque até a segurança armada que havia no local foi retirada para a Prefeitura. A comunidade do Lagoinha/Três Marias está se mobilizando e desta vez prometem ater fogo e colocar tudo abaixo. Talvez assim é possível que as autoridades voltem sua atenção para a unidade e busquem os culpados por esse verdadeiro crime com o dinheiro público.

Fonte: VIA RONDÔNIA
Publicada em 13 de janeiro de 2020 às 10:52

 

Leia Também

Além da questão ética, saúde e educação - Por Valdemir Caldas

Nos últimos anos, a saúde e a educação chegaram ao fundo do poço. Estão brincando com coisas sérias.

Coleta Seletiva: Semeia orienta a população para utilizar Ecoponto corretamente

O objetivo é inserir na sociedade ji-paranaense a cultura de reciclar, adotando a prática da separação do lixo, contribuindo assim para redução da quantidade de resíduos que é enviada para os aterros.

Semagric continua trabalho no distrito de Rio Pardo

Gestão Hildon Chaves garante escoamento da produção através do trabalho das equipes da Semagric

Saae apresenta nomes das empresas participantes de licitação para ampliação e readequação do sistema de água em Vilhena

Cinco empresas apresentaram documentação para se habilitar na concorrência pública; apenas uma é de Rondônia

Envie seu Comentário