Sejus suspende agentes penitenciários plantonistas por causa de atentado a um apenado

Sejus suspende agentes penitenciários plantonistas por causa de atentado a um apenado

A Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) determinou a suspensão de todas as atividades laborativas de cinco agentes penitenciários que estavam no plantão, no dia em que o preso José Osmir da Silva Júnior, de 37 anos, levou um tiro.

Osmir levou um tiro na cabeça em circunstâncias até agora não esclarecidas, dentro presídio Milton Soares de Carvalho, na semana passada, em Porto Velho, e continua internado no Hospital João Paulo II. 

Osmir foi condenado a mais de 26 anos por crime de latrocínio praticado contra o policial militar Gelsmar Trindade Nunes, lotado no 5º BPM, para roubar a sua motocicleta. O latrocínio aconteceu em outubro de 2016 na zona Leste. 

Através da medida suspensiva preventiva foi instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar contra todos os agentes penitenciários, que estão proibidos de adentrar em qualquer unidade penitenciária do Estado. 

Eles terão mantido seus vencimentos e aguardarão em casa o chamamento da Comissão Sindicante. Se responsabilizados pelo crime, poderão ser denunciados  pelo crime de homicídio e até serem demitidos do serviço público

Fonte: VIA RONDÔNIA
Publicada em 22 de agosto de 2019 às 16:13

 

Leia Também

3 foragidos da justiça são presos em menos de 8 horas pela PRF

Os indivíduos, que eram procurados por homicídio, porte ilegal de arma de fogo, furto e receptação, foram flagrados em abordagens realizadas na capital e em Pimenta Bueno; um dos homens foi preso enquanto almoçava na rodoviária

PRF prende foragido da justiça durante fiscalização a táxi

O homem, que confirmou aos agentes responder há 2 anos pela prática de estupro de vulnerável, foi preso em flagrante.

PRF recupera moto roubada em Itapuã do Oeste

O veículo, que era conduzido por um inabilitado, ainda ostentava uma placa adulterada, com o objetivo de ludibriar a fiscalização policial

PF desmonta quadrilha que movimentou R$ 230 milhões em ouro

De acordo com as investigações, o grupo é formado por venezuelanos e brasileiros que inclusive enviaram o minério extraído de forma ilegal ao exterior

Envie seu Comentário