Professora causa polêmica ao passar redação sobre movimento #EleNão

Professora causa polêmica ao passar redação sobre movimento #EleNão

O caso de uma professora que passou um tema de redação com o tema #EleNão em uma escola municipal em Campo Grande (MS) tem gerado polêmica nas redes sociais.

"Está marcado para o dia 29 de setembro um encontro nacional intitulado Mulheres Unidas contra Bolsonaro. Diante do atual cenário político nacional, com base nos conhecimentos construídos durante toda a sua vida, escreva um texto dissertativo-argumentativo acerca da relevância de tal evento", diz texto do tema de redação, conforme mostra uma foto postada nas redes sociais.

De acordo com o jornal 'O Globo', enquanto defensores da ideia 'Escola Sem Partido' criticam a proposta, a Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso do Sul (SED-MS) acredita que a professora não tomou um partido político.

Notícias ao Minuto

Manifestantes pró-Bolsonaro atacaram a professora em suas redes sociais. "Isso não é professora! Doutrinando crianças??? Criminosa!! Deve ser demitida! O ensino está um lixo por conta deste 'tipo de professor'!", escreveu um internauta.

Mesmo após as críticas na internet, o Ministério Público do Mato Grosso do Sul disse que não recebeu qualquer denúncia sobre o ocorrido.

Fonte: Mundo ao Minuto
Publicada em 05 de outubro de 2018 às 09:52

 

Leia Também

São Lucas oferece bolsas de até 100% para ingressantes com a nota do ENEM

A concessão de bolsas estará atrelada a pontuação obtida no ENEM de 2010 a 2019.

IPAM irá cobrar judicialmente ´assessores de vereadores´ que se beneficiaram do instituto indevidamente

Presidente diz que não há chance alguma de fechamento do instituto

Campanha Troco Solidário Havan arrecada R$ 11,4 milhões em todo o Brasil

Valor contribuiu para a melhoria e o andamento das 206 instituições beneficiadas com a ação em 2019

Após negociação durante a madrugada, transporte coletivo volta circular em Porto Velho

80 funcionários do turno matutino aceitaram voltar ao trabalho, mas a frota continua reduzida por conta das férias escolares.

Envie seu Comentário