Pessoas que gostam de sertanejo e rap são menos inteligentes, aponta estudo

Pessoas que gostam de sertanejo e rap são menos inteligentes, aponta estudo

De acordo com uma pesquisa realizada pelo psicólogo e escritor britânico evolucionista Satoshi Kanazawa, da Escola de Economia e Ciência Política de Londres, as pessoas que escutam música clássica são intelectualmente superiores àquelas que preferem canções populares, como sertanejo e rap. Para chegar a essa conclusão, Kanazawa usou uma teoria da psicologia evolucionária, chamada de Savanna-IQ.

Segundo essa corrente teórica, as pessoas inteligentes são mais abertas à novidades do que seus pares menos esclarecidos. Como a canção instrumental surgiu na história depois da versão cantada, que é ancestral, a música clássica seria uma “novidade” na linha do tempo da evolução. Sendo assim, Kanazawa argumenta que os indivíduos inteligentes povoam concertos e clubes de jazz porque têm maior capacidade de responder a obras puramente instrumentais.

Para provar sua tese, Kanazawa oferece duas evidências. A primeira utiliza dados de uma pesquisa realizada pela Universidade de Chicago, em que os 1,5 mil entrevistados tiveram que classificar 18 gêneros musicais em uma escala de 1 (não gosto) a 5 (gosto muito). Depois, eles fizeram um teste de inteligência verbal. Por fim, os participantes mais inteligentes preferiam música instrumental, enquanto os outros gostavam de gêneros como o rap e o country, que equivale ao sertanejo brasileiro.

Como segunda evidência, o pesquisador utilizou a pesquisa British Cohort Study, realizada com todos os bebês nascidos no Reino Unido em uma semana de 1970. Em 1986, quando todos tinham 16 anos, foi solicitado que eles avaliassem suas preferências por 12 gêneros musicais. Depois, os participantes também fizeram um teste de inteligência verbal. Como no estudo anterior, os britânicos com as maiores notas no teste preferiam músicas instrumentais.

“Por fim, como se suspeita, a preferência por gêneros como o rap e o country está correlacionada negativamente com a inteligência”, disse Kanazawa. O pesquisador trabalha com o método Savanna-IQ há muitos anos, mas alguns teóricos apontam contradições no estudo, que não leva em conta, por exemplo, a renda e a escolaridade das pessoas, o que impacta diretamente nos tipos de lazer aos quais elas têm acesso.

Fonte: R7
Publicada em 09 de outubro de 2019 às 12:36

 

Leia Também

Ji-Paraná será palco do Rondon Rock Festival 2019

O público vai poder curtir cerca de 30 horas de música durante os três dias

1ª edição do Oktoberfest em Porto Velho terá mais de 10 mil litros de chopp

Entrada custa R$ 45 a inteira. As entradas poderão ser adquiridas via internet ou pessoalmente no quiosque da Talismã 21.

Carol Baby lança nova música no Norte e Nordeste dia 17 de outubro

Cantora sertaneja anuncia a entrada de “Chave do Apêito” em plataformas de áudio e vídeo como segunda música do EP De Primeira

Apresentações da Sétima edição do Musical Canto para Todos têm início nesta sexta-feira no Teatro do Sesc

O musical terá a duração estimada de 1 hora e 30 minutos, com a apresentação de 18 canções

Envie seu Comentário