Mulher é presa por fazer mais de 200 abortos clandestinos em hotéis

Mulher é presa por fazer mais de 200 abortos clandestinos em hotéis

BELO HORIZONTE MG - Uma estudante de 37 anos foi presa por fazer mais de 200 abortos clandestinos. Os procedimentos eram feitos em hotéis de Belo Horizonte (MG). Luciane Fernandes cobrava até R$ 8 mil das mulheres e usava remédios veterinários.

Os abortos eram realizados sempre entre as 9h e 17h, segundo reportagem exibida no programa Fantástico, da Rede Globo de Televisão nesse domingo (06). Os crimes foram praticados dentro de 24 hotéis em Belo Horizonte e na região metropolitana da capital.

A mulher foi presa em flagrante dentro de um dos hotéis. Na ocasião, ela estava prestes a realizar o aborto em duas mulheres, de acordo com a Polícia Civil. Os donos e funcionários dos estabelecimentos negam ciência do crime.

A prática é considerada ilegal e perigosa. “Há restrição dessa medicação até mesmo no meio animal, dada as consequências, os efeitos colaterais que provoca”, afirmou o delegado Emerson Moraes em entrevista à reportagem.

A mulher, contudo, ficou presa apenas por 21 dias. Luciane conseguiu liberdade na justiça ao alegar que precisaria cuidar do filho, de 6 anos. Ela deve responder pelo crime de aborto provocado com o consentimento de gestantes e manipulação de medicamentos sem certificado da Anvisa.

Fonte: Metrópoles
Publicada em 07 de outubro de 2019 às 11:23

 

Leia Também

Bebê arrancado da barriga da mãe com uma faca seria entregue para mulher que fingia estar gravida de garimpeiro

Gestante foi assassinada pela própria irmã, em Porto Velho. Um adolescente de 15 anos confessou que também participou do crime porque desejava entregar bebê à mãe, que simulava uma gestação.

Vídeo: Adolescente teria matado a irmã e o sobrinho em área de loteamento de Porto Velho; bebê foi retirado a faca

O bebê foi encontrado na casa do delator, que teria entregue a criança para sua mãe.

Apenado do sistema prisional sai para encontro amoroso e é preso pela PRF em Porto Velho

O indivíduo, que cumpre pena por roubos no regime semiaberto, não poderia sair da sua residência, mas foi abordado quando seguia para um encontro amoroso, que havia combinado por meio de aplicativo de relacionamento

Professor de Natação é agredido por Juiz de Direito ao ser acusado de molestar seu filho

Na polícia, o pai contou que estava trabalhando quando sua mulher ligou nervosa e chorando muito, informando que o filho havia sido molestado sexualmente pelo professor de natação.

Envie seu Comentário