Jurados condenam réu acusado de matar vítima motivado por tapa na cara

Jurados condenam réu acusado de matar vítima motivado por tapa na cara

O 1º Tribunal do Júri da comarca de Porto Velho, composto por 4 mulheres e 3 homens, presidido pelo juiz Gleucival Zeed Estevão, condenou o réu Adriano Fernandes da Silva Neto a 7 anos e 6 meses de reclusão, sob a acusação de ter matado Francisco de Oliveira Monteiro, com várias facadas, no dia 10 de março de 2019, na Rua Três e Meio, Bairro Nova Floresta, na cidade de Porto Velho – Capital do Estado de Rondônia.

O réu, que respondia à acusação do homicídio em liberdade, foi condenado à revelia, isto é, não compareceu na sessão de julgamento. Se comparecesse, mesmo diante da condenação, o acusado continuaria a responder ao processo crime em liberdade, porém, devido à sua ausência, tornou-se foragido, por isso foi decretada a sua prisão preventiva.
Durante o julgamento, a promotoria, representada pelo promotor de Justiça Elias Chaquian Filho, assim como a defesa (defensoria pública), representada pelo defensor Paulo Eduardo Pereira Lima, pediu o afastamento das qualificadoras de motivo fútil e de surpresa (que dificultou a defesa da vítima), o que foi acolhido pelos jurados. A vítima do nada, segundo o promotor de justiça, desferiu dois tapas no rosto do acusado.
Para o juiz da condenação, “embora o Conselho de Sentença tenha excluído a qualificadora do motivo fútil, não se pode negar que a conduta do réu foi completamente desproporcional à ação da vítima. Ficou provado que, em razão de um tapa no rosto, o réu matou a vítima”. O réu tem registrada uma condenação no processo n. 0008278-12.2007.8.22.0501 (reincidente).
Segundo a sentença, o não comparecimento do réu na solenidade sem justificativa, “para assegurar a aplicação da lei penal”, foi decretada a prisão preventiva. O julgamento iniciou às 8h30 e encerrou às 12h15.

Processo n. 0002481-35.2019.8.22.0501.

Fonte: Assessoria de Comunicação Institucional
Publicada em 07 de outubro de 2019 às 17:41

 

Leia Também

Bebê arrancado da barriga da mãe com uma faca seria entregue para mulher que fingia estar gravida de garimpeiro

Gestante foi assassinada pela própria irmã, em Porto Velho. Um adolescente de 15 anos confessou que também participou do crime porque desejava entregar bebê à mãe, que simulava uma gestação.

Vídeo: Adolescente teria matado a irmã e o sobrinho em área de loteamento de Porto Velho; bebê foi retirado a faca

O bebê foi encontrado na casa do delator, que teria entregue a criança para sua mãe.

Apenado do sistema prisional sai para encontro amoroso e é preso pela PRF em Porto Velho

O indivíduo, que cumpre pena por roubos no regime semiaberto, não poderia sair da sua residência, mas foi abordado quando seguia para um encontro amoroso, que havia combinado por meio de aplicativo de relacionamento

Professor de Natação é agredido por Juiz de Direito ao ser acusado de molestar seu filho

Na polícia, o pai contou que estava trabalhando quando sua mulher ligou nervosa e chorando muito, informando que o filho havia sido molestado sexualmente pelo professor de natação.

Envie seu Comentário