Inconformado com o resultado, MP recorre na própria sessão de julgamento do agente penitenciário que jogou soda cáustica em médico

Inconformado com o resultado, MP recorre na própria sessão de julgamento do agente penitenciário que jogou soda cáustica em médico

O Ministério Público do Estado de Rondônia já recorreu da decisão que condenou o agente penitenciário Oziel Araújo Fernandes a pena de cinco anos de reclusão, no regime semiaberto, acusado de ter jogado soda cáustica no rosto do médico infectologista Gladson Siqueira, na manhã do dia 6 de março deste ano, no estacionamento do Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron), na capital. O médico teria um caso amoroso com a esposa do agente penitenciário, uma enfermeira do SAE e HB.

O recurso foi interposto pelo Promotor de Justiça Elias Chaquian Filho, na 1ª Vara do Tribunal do Júri da Capital, na mesma sessão do julgamento, logo após a leitura da sentença, ocorrida na quarta-feira (14/8), por considerar que a sentença não teve razoabilidade, ou seja, foi ínfima, considerando a gravidade do crime.

O Promotor de Justiça Elias Chaquian pediu a condenação em uma tentativa de homicídio triplamente qualificada (motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. “O julgamento foi contrário à prova dos autos porque o Conselho de Sentença ignorou que o réu tinha descoberto que vítima e o pivô do crime ainda estavam conversando via Whatsapp, e passou a premeditar o crime, não sendo impelido por violenta emoção. Além disso, os jurados decidiram contra as provas dos autos também no tocante a qualificadora de recurso que dificultou a defesa da vítima, pois ele foi aspergido com o líquido dentro do carro, sem que pudesse se esquivar, bem como a pena aplicada foi muito abaixo do justo para um delito dessa gravidade”, entende o Promotor de Justiça.

Oziel foi condenado por tentativa de homicídio privilegiado-qualificado, pois o Conselho de Sentença (formado por quatro homens e três mulheres) entendeu que o agente penitenciário agiu sob violenta emoção logo após injusta provocação da vítima, e utilizou de meio cruel, consistente em jogar a soda cáustica, substância altamente corrosiva.

O médico, que teve sua visão comprometida, está em São Paulo se recuperando de uma operação, e durante o julgamento foi ouvido por meio de videoconferência (whatsapp). Devido ao caráter passional do crime, o caso foi a julgamento em segredo de justiça.

Fonte: Assessoria de Comunicação - ASCOM
Publicada em 17 de agosto de 2019 às 11:10

 

Leia Também

Menina de 11 anos é mantida em cárcere privado e obrigada a se prostituir e vender drogas

A vítima relatou que a suspeita a obrigou a entrar em um veículo e a levou para Confresa, onde, mediante a ameaças, a mantinha em cárcere privado.

Homem é morto em via pública na zona Sul da Capital

Uma equipe do Samu ainda foi acionada, mas quando chegou ao local o homem já estava morto.

PF deflagra Operação Polígrafo para desarticular esquemas de fraudes na aquisição de testes rápidos da Covid-19 na Sesau

O valor total da contratação investigada chega a R$ 10.500.000,00 (dez milhões e quinhentos mil reais). 

PF cumpre mandados de busca apreensão em Porto Velho, São Miguel do Guaporé e Guajará-Mirim no combate ao Covid-19

A ação decorre de mais um trabalho conjunto entre a Polícia Federal, Controladoria-Geral da União e Ministério Público Federal, que resultou no cumprimento de 10 (dez) mandados de busca e apreensão

Envie seu Comentário