Construção de complexo turístico na China mata 6 mil peixes

Construção de complexo turístico na China mata 6 mil peixes

As autoridades chinesas estão investigando a morte de 6 mil peixes da espécie esturjão-chinês, que está em perigo de extinção, supostamente devido à construção de um complexo ecoturístico próximo de uma regiãode criação. Segundo o jornal de Hong Kong South China Morning Post, eles  morreram em uma área de exploração piscícola, em Jingzhou, na província de Hubei, centro da China.

Citado pelo jornal, o gabinete provincial para as pescas afirmou que as mortes estão "diretamente relacionadas com os sobressaltos, ruídos e variações nos recursos hídricos", causados pela construção da localidade de ecoturismo de Jinan.

As obras, que foram anunciadas em 2016, ficaram marcadas pelos desentendimentos entre o governo local e a promotora, que por causa da falta de um acordo compensatório recusou alterar a localização do complexo turístico.

Citado pela imprensa local, um dos responsáveis pela área de criação afirmou que as obras se transferiram para um terreno ainda mais próximo, o que provocou nos peixes uma "angústia crescente" e a contaminação do lago que utilizavam como fonte de água.

O ministério chinês da Agricultura apelou já às autoridades que façam tudo o que estiver ao seu alcance para garantir a segurança da espécie, segundo o SCMP.

Considerado um "tesouro nacional", junto com o panda, o esturjão-chinês, cujo nome científico é 'acipenser sinensis', encontra-se em perigo critico de extinção, devido à poluição, pesca excessiva e construção de barragens no país.

A espécie, com origem no Yangtzé, o maior rio na Ásia, é um dos seres vivos mais antigos do planeta. Estima-se que exista há 140 milhões de anos, desde o período do cretáceo, quando havia ainda dinossauros na Terra.

A China lançou, nos anos 1980, um programa para criação em cativeiro, quando restavam apenas 200 exemplares em liberdade. No entanto, a sobrevivência do esturjão-chinês no Yangtzé continua sendo um desafio.

Em 2005, as autoridades chinesas libertaram mais de 10 mil crias e 200 exemplares adultos, criados em cativeiro, mas passados dois anos, apenas 14 restavam no rio.

O esturjão-chinês, que pode ter até cinco metros de comprimento, e que é muito vulnerável ao ruído, condições do meio-ambiente e feridas causadas pelos barcos, poderá desaparecer, como sucedeu ao golfinho do Yangtzé em 2007.

O próprio presidente chinês, Xi Jinping, alertou, em abril passado, que o Yangtzé se converteu num "deserto" de peixes, devido à poluição das águas. Com informações da Lusa.

Fonte: Noticia ao minuto
Publicada em 19 de novembro de 2018 às 09:08

 

Leia Também

Governo autoriza contratação de 5.158 profissionais de saúde para combater o coronavírus

Ministério da Saúde definirá como será distribuição das contratações nas cidades. Contratos terão validade de até seis meses e maior parte é para técnico de enfermagem.

Governo de Rondônia exclui categorias da Saúde de aumentos salariais.

Profissionais de Saúde completaram uma década sem aumentos. O Coren-RO apoia a luta dos profissionais de Enfermagem por melhores salários.

Internacional Avião com mais de 100 pessoas a bordo cai no Sul do Paquistão

Aeronave caiu em um bairro residencial da cidade de Carachi

Atendimento remoto do INSS é prorrogado até o dia 19 de junho

A decisão foi publicada hoje no Diário Oficial da União

Envie seu Comentário