"Quero ser o melhor prefeito!", disse Williames Pimentel

A oportunidade de dirigir os destinos de Porto Velho é um sonho que comecei a acalentar em 2016 e não mais deixei. Lembro-me de que àquela época fizemos mais de 300 reuniões com moradores e espero que você, que teve a oportunidade de participar, recorde-se de nossos sonhos, expectativas e projetos. Aí então você poderá comparar para perceber que tudo aquilo que discutimos e debatemos, todas as dificuldades, problemas, anseios e reclamações daquela época permanecem até hoje sem solução. Mais grave é observar que a situação ficou ainda pior, não apenas, embora também, em função da pandemia. Que muito daquilo que havia sido conquistado para benefício da população foi abandonado e sucateado. 

Saí daquela eleição com a responsabilidade de oferecer alguma resposta àquelas 35 mil pessoas que depositaram em meu nome sua confiança e seu voto. Por isso, longe de me apequenar com os resultados, me senti engrandecido, enobrecido, e estimulado a adquirir mais experiência e aprendizado, para voltar à disputa, em nova oportunidade, para colocar em prática a capacidade de construir juntos uma cidade que pertença a todos. E que todos dela tenham orgulho de pertencer. Pertencimento, aliás, é o que Porto Velho espera de cada cidadão, especialmente daquele a quem é dado o direito e a grave responsabilidade de gerir os destinos de todos.

Mas isso tem um custo elevado. Exige dedicação exclusiva. Não dá para administrar a cidade à distância, em “home office”, no aconchego do lar. O prefeito tem a obrigação de estar junto à comunidade - e a seu serviço - em tempo integral, sem direito a três meses de férias e recesso a cada ano. O prefeito tem que viver com a comunidade os problemas que a afligem. Somente assim poderá encontrar as soluções que a comunidade espera, com a eficiência e a urgência que comunidade exige. Quem acredita ser possível administrar de longe, pela internet, uma cidade do tamanho de Porto Velho está cometendo um grave erro e uma imperdoável falta de respeito para com a população. Deveria ter vergonha por tamanha exibição de arrogância e procurar outro emprego. 

O prefeito tem que demonstrar empatia e pertencimento. Tem que angustiar-se com as angústias da população, sentir as dores que doem no povo. Só quem sente de perto a tristeza de um pai que vê o filho privado da escola por três anos, pela falta de transporte escolar, pode ter noção do absurdo, do verdadeiro crime praticado contra considerável parcela da população, justamente dos setores mais vulneráveis da sociedade. Isso a internet não mostra. Não dá para sentir essa dor na praia, com a família. Quando atendi ao chamado de meu partido, o MDB, e do meu coração de filho de Porto Velho, para novamente me candidatar, eu sabia do desafio e do comprometimento que teria que enfrentar junto com a minha família. Tenho a certeza de que não haveremos de nos arrepender pela oportunidade de retribuir, com trabalho, dedicação e muito amor por esta cidade, à confiança que em meu nome terá sido depositada em cada voto. Quero ser o melhor prefeito que esta cidade já conheceu.

Fonte: Assessoria
Publicada em 24 de outubro de 2020 às 16:29

 

Leia Também

No debate da TV Rondônia Hildon Chaves apresenta trabalho e Cristiane Lopes faz promessas

Um dos pontos de destaque foi a pergunta de Hildon Chaves, sobre o que a candidata fez pelas Igrejas Evangélicas

Jean Oliveira parabeniza a chapa vencedora no Sindler

Chapa "Renovação" foi eleita por 174 votos e irá dirigir o sindicato pelo triênio 2021/2023

Autor do perfil fake alimentado dentro da TV Allamanda é marido de assessora de Cristiane Lopes

Emissora demitiu funcionário que usou a estrutura da televisão para atacar adversário da candidata

Aliança de Marcos Rocha com a família Cassol pode afundar a campanha de Cristiane Lopes

Nas redes sociais, internautas dizem que há alguma coisa errada na composição

Envie seu Comentário