Taxa de suicídio cai com legalização do casamento gay, diz estudo

Taxa de suicídio cai com legalização do casamento gay, diz estudo

Suécia e Dinamarca registraram uma queda de 46% no número de suicídios desde a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo, em 2009 e 2012, respectivamente. As informações constam em um estudo divulgado pela Universidade de Estocolmo e pelo Instituto Dinamarquês de Pesquisa para Prevenção do Suicídio.

A pesquisa acompanhou a rotina de 28 mil pessoas em ambos os países. Todas envolvidas em um relacionamento gay por 11 anos, em média. O artigo, publicado no Journal of Epidemiology and Community Health, comprova que “medidas legislativas podem realmente reduzir o estigma em torno das minorias sexuais”, segundo a autora da pesquisa, Annet Erlangsen, em entrevista à Thomson Reuters Foundation.

As taxas de suicídio de pessoas envolvidas em casamentos heteronormativos também caíram com a legalização do casamento gay, segundo o estudo. Especialistas apontam que, uma possibilidade, é de que homossexuais que se viam “presos em relacionamentos heterossexuais” acabavam atentando contra a própria vida, por frustração.

Foram comparados indicadores de suicídio de indivíduos em relações homo e heterossexuais, nos períodos de 1989 a 2002, e de 2003 a 2016. A validação do Estado para a união entre pessoas do mesmo sexo pode ter influenciado na decisão de “saída do armário” dessas pessoas, diminuindo, assim, os índices de autoexecução.

 

A Dinamarca foi o primeiro país do mundo a autorizar a união civil entre pessoas do mesmo sexo, em 1989. Em seguida, veio a Suécia, em 1995, seguindo o exemplo do vizinho europeu. O casamento, entretanto, só foi legalizado, de fato, em 2009 na Suécia e em 2012 na Dinamarca.

No Brasil, um levantamento do Grupo Gay da Bahia mostrou, em 2015, que 3% dos homens homossexuais e 5% dos bissexuais já tentaram cometer suicídio, contra 0,4% da população masculina geral brasileira. Um em cada 16 homossexuais com idades entre 16 e 24 anos tentou tirar a própria vida alguma vez, contra 1% dos homens da mesma idade.

Outra análise, publicada na revista científica “Pediatrics” em 2011, mostrou que gays, lésbicas e bissexuais tinham seis vezes mais chance de tirar a própria vida, em relação a heterossexuais (21,5% contra 4,2%). O mesmo público, ainda de acordo com a pesquisa, tinha risco 20% maior de suicídio quando convivendo em ambientes hostis à sua orientação sexual, na comparação com meios menos conservadores.

Está passando por um período difícil? O Centro de Valorização da Vida (CVV) pode te ajudar. A organização atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e Skype 24 horas todos os dias.

Fonte: Metrópoles
Publicada em 15 de novembro de 2019 às 17:13

 

Leia Também

Sejamos ateus e alcoólatras! -  Por Professor Nazareno

Esses dois adjetivos podem ser “do bem” desde que vistos, digamos, por outro lado mais otimista.

Produtores de Vilhena ganham 4 prêmios culturais nacionais

Eles ganharam o “Prêmio Funarte Descentrarte” promovido Fundação Nacional de Artes – Funarte.

Prefeitura disponibiliza consulta para selecionados

Os pais ou responsáveis devem consultar o link da Chamada Escolar no site da Prefeitura

Imóveis do Orgulho do Madeira são fiscalizados para identificar fraudes

Equipes bateram de porta em porta conferindo documentação dos imóveis

Envie seu Comentário