Aprovado projeto do presidente Laerte Gomes que suspende eleições de diretores de escolas públicas

Aprovado projeto do presidente Laerte Gomes que suspende eleições de diretores de escolas públicas

A Assembleia Legislativa aprovou por unanimidade o Projeto de Lei nº 338/19, de autoria do presidente da Casa, Laerte Gomes (PSDB), revogando todas as leis que determinam a eleição de diretores de escolas em Rondônia. Assim, as eleições que seriam realizadas em dezembro estão suspensas. 

O Presidente Laerte Gomes explicou que o PL aprovado está de acordo com o que foi julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “Vamos conversar com o secretário de Estado da Educação para definir o novo critério a ser adotado daqui para frente”, explicou. 

Na justificativa do projeto, o presidente esclarece que atende reivindicações dos profissionais da Educação, “que vem seguidamente questionando as normas relacionadas à denominada Gestão Democrática na Rede Pública Estadual de Ensino de Rondônia. Assim sendo, visando corrigir rumos, atualizar a legislação e resolver questões pontuais”, explicou.

Fonte: Assessoria
Publicada em 14 de novembro de 2019 às 20:00

 

Leia Também

MP Eleitoral move ação por abuso de poder político e econômico em eleições para Prefeitura de Costa Marques

A ação foi proposta pelo Promotor Eleitoral Marcos Geromini Fagundes, em razão de uso indevido de bens e pessoal da Administração Pública municipal, durante o período eleitoral

Laerte Gomes parabeniza Hildon Chaves por sua reeleição a prefeito de Porto Velho

Presidente disse que população a gestão, dando mais quatro anos de mandato a Hildon Chaves

Jair Montes alerta para o aumento no número de casos de Covid-19

Deputado anunciou que pediu ao Ministério Público a investigação dos contratos do lixo hospitalar

Nazif apresenta emenda que proíbe cortes de energia às sextas, sábados, domingos e feriados em todo o país

Com o entendimento que, água, energia elétrica e gás são serviços essenciais para a saúde e a sobrevivência da população, a proposta de Nazif proíbe as empresas

Envie seu Comentário