Polícia Federal deflagra Operação “Carrossel” para combater desvio de recursos públicos na Secretaria Municipal de Educação em Porto Velho

Polícia Federal deflagra Operação “Carrossel” para combater desvio de recursos públicos na Secretaria Municipal de Educação em Porto Velho

Rondônia/RO - A Polícia Federal, em conjunto com a Controladoria Geral da União (CGU), deflagrou na manhã desta quarta-feira, 04/09/2019, a Operação “Carrossel” para combater o desvio de recursos do Programa Nacional de Transporte Escolar (PNATE) e fraudes às licitações no âmbito da Secretaria Municipal de Educação de Porto Velho/RO (SEMED).

No dia de hoje, estão sendo cumpridos, nos estados de Rondônia, Acre e Amazonas, 36 mandados judiciais, sendo 05 de prisão temporária, 17 de busca e apreensão e 14 de sequestro e indisponibilidade de bens, todos expedidos pela Justiça Federal em Porto Velho/RO.

Em Rondônia, a Polícia Federal cumpre mandados na capital Porto Velho/RO, especificamente na SEMED e Superintendência Municipal de Licitações, em empresas e residências dos investigados. Além dela, os policiais federais cumprem mandados em Candeias do Jamarí/RO, Rio Branco/AC e Manaus/AM.

As investigações relacionadas à Operação “Carrossel” decorreram da “Operação Ciranda”, deflagrada pela Polícia Federal em 29/05/2019, que identificou uma organização criminosa composta por empresários, particulares e agentes públicos especializados em fraudar licitações e contratos da Prefeitura de Porto Velho/RO, especificamente na Secretária Municipal de Educação – SEMED, obtendo vantagens ilícitas dos recursos do Programa Nacional de Transporte Escolar (PNATE), verba federal repassada ao ente municipal.

O objeto da investigação atual foi a contratação emergencial dos serviços de transporte escolar terrestre para atender alunos da rede municipal, bem como a prorrogação desses contratos, onde foram apuradas fraudes no caráter competitivo do processo licitatório nº 09.000157/2018, por intermédio de conluio entre as empresas participantes e superfaturamento dos preços.

Na licitação emergencial, dois grupos econômicos fraudaram a licitação e promoveram a divisão dos lotes do transporte terrestre mediante conluio, participação de “empresas de fachada” e sobrepreço das propostas vencedoras.

Nos seis meses de contrato, os serviços foram prestados de forma precária, paralisados em diversas oportunidades e os alunos foram colocados em risco pelas condições dos ônibus. Diante da situação calamitosa, a Prefeitura prorrogou o contrato emergencial e uma das empresas investigadas passou a prestar a totalidade dos serviços de transporte terrestre, e receber os mesmos valores com sobrepreço, aumentando o prejuízo aos cofres públicos.

Os presos, após serem ouvidos na Superintendência De Polícia Federal em Rondônia, serão encaminhados para presídios estaduais e responderão, perante a Justiça Federal, pelos crimes de organização criminosa, fraude à licitação, corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro.

Fonte: PF
Publicada em 04 de setembro de 2019 às 07:40

 

Leia Também

Atuação da Prefeitura viabiliza retorno dos ônibus às ruas

O serviço do transporte coletivo urbano voltou a funcionar na capital, nesta manhã, com 80% da frota

Deputado Ezequiel Neiva assegura recurso para construção de campo de futebol na zona Sul de Porto Velho

Campo do Binho, hoje de terra, vai receber gramado sintético e outras melhorias, para atender aos moradores da região

Esgotamento sanitário de Ji-Paraná foi uma das grandes lutas do presidente Laerte Gomes em 2019

Parlamentar destacou união política e prevê grande crescimento da cidade

Associação Rural de Rio Pardo recebe equipamentos adquiridos através de emenda do deputado Edson Martins

Implementos agrícolas foram adquiridos com os R$ 90 mil em recursos destinados pelo parlamentar, via emenda

Envie seu Comentário