Agentes Penitenciários e Agentes de Segurança Socioeducativos de Rondônia estão em “estado de greve”

Agentes Penitenciários e Agentes de Segurança Socioeducativos de Rondônia estão em “estado de greve”

Nesta quinta-feira (29) às 15hs, foi realizada a assembleia geral extraordinária na sede do Singeperon, onde ficou deliberado que, os Agentes Penitenciários e Agentes de Segurança Socioeducativos entrariam em “estado de greve” (um alerta, um aviso para uma possível paralisação), visando o cumprimento do acordo proposto pelo governo do Estado de Rondônia nos Autos da ação de dissídio coletivo de greve.

Todavia é necessário frisar que desde junho/2018 o sindicato vem buscando junto ao governo do Estado de Rondônia o cumprimento do acordo judicial, realizado em maio/2017, qual seja, a elaboração em conjunto com a categoria do PCCR em 60 dias o qual não foi apresentado pelo estado.

Em virtude de impedimentos legais para aprovação do PCCR este ano, conforme o (art. 21 da LRF), o Estado propôs um realinhamento salarial para 2019, o qual foi trabalhado com o próprio orçamento da secretaria de justiça, que foi aceito pela categoria, porém, após todos os trâmites burocráticos, a Mesa de Negociação Permanente (MENP), deu o Estado por impedido de enviar o Projeto de Lei para aprovação da Assembleia Legislativa este ano, e, por fim, na data do dia 28/11/2018, manifestou-se de que o PL será encaminhado para aprovação em fevereiro/2019 e a implementação do pagamento se dará no 1º quadriênio de 2019, ressaltando que já existe a previsão orçamentária pra este fim.

Apesar da proposta ser aprovada pelos servidores em assembleia, visando resguardar os interesses desta, deliberou-se que a categoria estaria em “estado de greve,” a categoria estará acompanhando o cumprimento do acordo, ainda que, para envio em Fevereiro e implementação no 1º quadriênio de 2019.

OCORRERÁ GREVE GERAL NAS SEGUINTES HIPÓTESES

1 – Se o orçamento previsto na LOA não for encaminhada para aprovação da ALE em dezembro/2018

2 – Passar algum projeto de lei na ALE, concedendo aumento salarial à qualquer outra categoria, no ano de 2018.

3 – Caso o PL não seja aprovado

4 – Não for implementado no 1º quadriênio de 2019.

Tal medida se faz necessária considerando o que a categoria vem sofrendo ao longo dos anos com promessas e acordos judiciais não cumpridas pelo Estado e que nos termos do Art 3º da Lei 7.783/89 (lei de greve), esta somente pode ser deflagrada mediante a frustração das negociações, sob pena de se constituir abuso de direito de greve, e que, a princípio, há uma proposta para futura implementação, o que nos obriga aguardar o cumprimento.

A presidente do Singeperon, Daihane Gomes, conta com a participação de toda a categoria, no sentido de caminhar juntos, no cumprimento do que foi deliberado em assembleia, uma vez que, juntos a categoria é mais forte. “NADA VEM SEM LUTAS! OU NÓS FAZEMOS COM QUE NOS RESPEITEM OU JAMAIS SEREMOS RESPEITADOS.” Destacou a presidente.

Fonte: Singeperon
Publicada em 30 de novembro de 2018 às 14:56

 

Leia Também

Câmara Municipal de Porto Velho é contra o aumento abusivo da tarifa de energia

A Câmara Municipal de Porto Velho vem a público emitir nota de repúdio em função da aprovação de um novo reajuste na tarifa de energia elétrica em 27,12%, na conta de energia dos cidadãos do Estado.

Conetur destaca apoio da Prefeitura para alavancar o Porto Velho Sport Fishing

Empresas parceiras no projeto apresentaram o balanço das ações realizadas este ano, bem como as metas para 2019

Audiência de conciliação decide sobre o Transporte Escolar

A audiência ocorreu na 1a Vara da Fazenda Pública de Porto Velho

Emenda de Garçon de mais de R$ 1 milhão é liberada para saúde e prefeito Hildon entrega equipamentos no CEM nesta sexta

O parlamentar ainda entregará na solenidade uma ordem bancária de meio milhão de reais para atender a saúde do município de Porto Velho em custeio.

Envie seu Comentário