Cássia Muleta indica necessidade de médico legista para Jaru e região

  Cássia Muleta indica necessidade de médico legista para Jaru e região

A deputada Cássia Muleta (Podemos) indicou ao Governo do Estado que interceda junto a Polícia Civil para que seja designado um médico legista ao município de Jaru, que está sem os serviços por falta de especialista.

A deputada explicou que, há dois meses, o município e toda a região têm sofrido pela falta de legista. Os profissionais que atendiam a região eram cedidos de outras cidades e, com a mudança no Governo, não houve o retorno destes médicos a Jaru.

“Hoje as famílias de Jaru, Theobroma, Governador Jorge Teixeira e distritos tem que esperar a funerária levar o corpo até Ariquemes para que este seja liberado e retorne para ser velado”, explicou Cássia.

Há ainda outro agravante: caso o falecimento venha a ocorrer no fim da tarde ou pela noite, os familiares têm de esperar até o outro dia para a realização dos serviços exigidos em Lei. Em razão disso muitas famílias esperam até 12 horas para o retorno do corpo.

“Os serviços do médico legista são de extrema importância à população, por ser responsável pelas necropsias e laudos cadavéricos para Polícias Científicas, além de perícias em diversos casos. A medida é urgente”, afirmou a parlamentar.

Fonte: Decom/ALE
Publicada em 12 de abril de 2019 às 09:31

 

Leia Também

Conferência da Juventude discutirá políticas públicas para Ji-Paraná

O objetivo, segundo o membro da comissão organizadora, Patrick Magalhães da Silva, é debater políticas públicas para a juventude e elaborar propostas para os próximos dois anos.

PDT se reúne para definir punição a deputada de RO e outros sete que votaram a favor da reforma

Ex-ministro Ciro Gomes defende que todos deixem espontaneamente o partido

Deputado Jhony Paixão garante segunda unidade do Colégio Tiradentes em Jí-Paraná

Inicialmente a escola atenderá 1.400 alunos e seguirá todos os parâmetros metodológicos e educacionais das unidades já existentes.

TCU rejeita pedido de Cassol, mantém multa e proibição de exercer cargo por cinco anos

Cassol atualmente cumpre pena pelo crime cometido entre os anos de 1998 e 2000 quando era prefeito

Envie seu Comentário